Lição 08: Êxodo 20 – Os Dez Mandamentos | 3° Trimestre De 2022 | EBD Revista PECC

EBD Pecc (Programa de Educação Cristã Continuada) | 3° Trimestre De 2022 | Tema: ÊXODO – LEVITICO: Libertação e Adoração | Escola Biblica Dominical | Lição 08: Êxodo 20 – Os Dez Mandamentos

SUPLEMENTO EXCLUSIVO DO PROFESSOR

Afora a suplemento do professor, todo o conteúdo de cada lição é igual para alunos e mestres, inclusive o número da página.

ORIENTAÇÃO PEDAGÓGICA

Em Êxodo 20 há 26 versos. Sugerimos começar a aula lendo, com todos os presentes, Êxodo 20.1-21 (5 a 7 min.). A revista funciona como guia de estudo e leitura complementar, mas não substitui a leitura da Bíblia. Caro(a) professor(a)! Na aula passada vimos como Deus cuida do seu povo, agora veremos como nos instrui com as dez palavras mais importantes das nossas vidas, pois ele mesmo as determinou. Ninguém está isento de cumprir as máximas leis morais, justamente porque somos seguidores de Jesus, o único que as obedeceu perfeitamente. Quanta a nós, temos a tarefa de aplicar os mandamentos as nossas vidas. Portanto, cabe-nos falar contra o aborto; contra a ideia de que há qualquer outro deus e contra qualquer forma de abuso e pro­miscuidade sexuais. Que tal come­çar por esses compromissos? Essa postura fiel a Deus certamente nos fará rejeitados pelo mundo, mas isso s6 prova que estamos no caminho certo.

OBJETIVOS

Ressaltar a importância dos Dez Mandamentos.
Alertar para a moralidade de Deus.
Contextualizar os Dez Mandamentos.

PARA COMEÇAR A AULA

Um ótimo começo de aula seria pensar no quanta a sociedade mundial tem criado leis e moralidades que desprezam os mandamentos de Deus. O liberalismo de costumes tem causado em muitos irmãos a sensação de permissividade, de um “tudo e permitido”. Contudo, o Deus de amor que nos concede sua Graça é também um Deus moral e de juízos perfeitos. A disciplina moral dos mandamentos nos conserva no caminho da santidade. Uma vida conforme os mandamentos e a garantia de uma vida com Jesus.

LEITURA ADICIONAL

Deus fala de muitas maneiras aos filhos dos homens; pela consciência, por providências, por sua voz, a todas as quais devemos atender cuidadosamente; porém, nunca falou, em momento algum, como na ocasião em que deu os Dez Mandamentos. Deus já dera esta lei ao homem anteriormente, escrita em seu coração; porém, o pecado a desfigurou tanto que foi necessário relembrar o conhecimento dela.

[…] O primeiro mandamento refere-se ao objeto de adoração, Jeová, e somente a Ele. Aqui se proíbe a adoração a criaturas; porém, o mandamento vai muito mais além. Aqui se proíbe amar, desejar, deleitar-se ou esperar algo que tenha natureza pecaminosa. Transgride este mandamento tudo aquilo que não seja amor, gratidão, reverência ou a adoração perfeita. “Tudo o que fizerdes, fazei-o para a glória de Deus”. O segundo mandamento refere-se a adoração que devemos render ao nosso Deus. Proíbe-se fazer imagens ou retratos da divindade em qualquer forma, ou para qualquer que seja o propósito; proíbe-se o ato de adorar a qualquer criatura, imagem ou quadro; porém, o alcance espiritual deste mandamento vai muito mais além. Aqui se proíbe todo tipo de superstição e o emprego de invenções puramente humanas para a adora­ção a Deus.

O terceiro mandamento refere-se a maneira de adorar, que seja com toda a reverência e seriedade possível. Os votos falsos são proibidos. Toda alusão leviana a Deus e toda maldição profana e uma horrível transgressão deste mandamento. Não importa se palavras com ou sem sentido são utilizadas. Todo gracejo profano com a Palavra de Deus ou com as coisas sagradas e todas as coisas semelhantes violam este mandamento, e não há proveito, honra nem prazer nelas. O Senhor nao terá coma inocente aqueles que tomam o seu nome em vão.
Livro: Comentário bíblico de Matthew Henry (Editora CPAD, 2004).

Texto Áureo

“Então falou Deus todas estas palavras“ Êx 20.1

Leitura Bíblica Para Estudo

Êxodo 20. 1-21

Verdade Prática

Os Dez Mandamentos formam o sustentáculo ético fundamental da civilização humana

INTRODUÇÃO
I- OS DEZ MANDAMENTOS Êx 20.1-6
1
– Seu autor é Deus Êx 20.1
2– Sua importância Êx 20.2
3– Relação com o Novo Testamento Êx 20.6
II- MANDAMENTOS VERTICAIS Êx 20.3-8
1-
Não terás outros deuses Êx 20.3
2– O uso do nome de Deus Êx 20.7
3– O sábado de descanso Êx 20.8
III- MANDAMENTOS HORIZONTAIS Êx 20.12-11
1
– Honrarás pai e mãe e não matarás Êx 20.12,13
2– Não adulterarás e não furtarás Êx 20.14,15
3– Não dirás falso testemunho e não cobiçarás Êx 20.16,17
APLICAÇÃO PESSOAL

DEVOCIONAL DIÁRIO

Segunda – Êxodo 21.15
Terça – Êxodo 22.2
Quarta – Êxodo 23.2
Quinta – Êxodo 24.10
Sexta – Êxodo 25.2
Sábado – Êxodo 26.31

Hinos da Harpa: 75 – 499

INTRODUÇÃO

Os Dez Mandamentos eram parte da aliança entre Deus e Israel quando Ele libertou a nação para si e fez dela um povo especial. É curioso que nove desses mandamentos são repetidos nas epístolas do Novo Testamento, sugerindo que devem ser obedecidos pela Igreja. O único que não aparece é o mandamento que determina a guarda do sábado, indicando expressamente não ser necessária sua guarda (Cl 2.16,17; Mc 2. 27,28).

I- DEZ MANDAMENTOS (Êx 20.1-6)

Neste tópico, veremos aspectos gerais dos Dez Mandamentos, necessários para uma adequada compreensão destes.

1- Seu autor é Deus (Êx 20.1) “Então falou Deus todas estas palavras“

O autor dos Dez mandamentos é Deus. Moisés é apenas o emissário. Êxodo 31.18 os chama de “tábuas do testemunho” e diz que foram escritas pelo “dedo de Deus”. Em Êxodo 32.16 está dito que “eram obras de Deus e tinham a sua escritura:’ Os Dez Mandamentos revelam alguns aspectos do seu autor:
a) Sua moralidade. Somente um Deus moral poderia revelar mandamen­tos com elevado sentido moral;
b) Sua pessoalidade. O Deus revelado nas Escrituras não é uma energia impessoal ou uma coisa. É uma pessoa e, como tal, quer se relacionar com Suas criaturas. Ele fala, se comunica e revela Sua vontade. Por isso a Bíblia é chamada de “Palavra de Deus”;
c) Sua sabedoria. Se os Dez Mandamentos fossem cumpridos e observados, o mundo seria um paraíso. Não haveria crimes, os relacionamentos humanos seriam honrados e Deus glorificado.

2- Sua importância (Êx 20.2) “Eu sou o Senhor, teu Deus, que te tirei da terra do Egito, da casa da servidão.”

Os Dez Mandamentos são uma das mais conhecidas seções da Bíblia e uma das peças de literatura religiosa mais importantes do mundo. A expressão hebraica que os nomeia ocorre três vezes no Antigo Testamento (Êx 34.28; Dt 4.13; 10.4) e significa literalmente “dez palavras” (deka, “dez” e logos, “palavra”). Antes de dar a lei moral ao Seu povo, Deus o resgatou da escravi­dão e lhe propôs uma aliança, aceita pelo povo (Êx 19.4-8) e posteriormente selada com sangue (Êx 24.1-11). Com o pacto firmado, Israel se submeteria à Lei de Deus, o que im­plicaria agir de maneira peculiar em relação aos outros povos. O objetivo do decálogo era santificar a nação de Israel de modo que ela pudesse refletir o caráter santo de Deus.

3- Relação com o Novo Testamento (Êx 20.6) E faço misericórdia até mil gerações daqueles que me amam e guardam os meus mandamentos.”

Qual a relação dos Dez Manda­mentos com a Nova Aliança? Eles são aplicáveis ainda hoje? Devemos obe­decer a todos ou apenas a alguns? O que eles significam a luz da revelação de Deus em Cristo? Ao estudar o An­tigo Testamento temos de interpretá-lo à luz do Novo Testamento, que é a revela ao final de Deus. Então os Dez mandamentos são coisas do passado? Perderam seu valor? Absolutamente! Essa confusão se dá porque muitos não conseguem perceber os diferentes tipos de leis ou mandamentos:
a) Lei moral. Essa lei é eterna, não caduca. Daqui a mil anos, adultério, idolatria, assassinato continuarão sendo pecados;
b) Lei cerimonial. São leis que tinham “data de valida­ de”, estendendo-se até o Calvário. A finalidade destas leis era mostrar aquilo que Cristo faria. Elas foram importantes, mas já cumpriram seu propósito. O sacrifício de animais é um exemplo, ou ainda a Páscoa;
c) Lei civil. São leis que serviam para distinguir Israel das demais nações. São aquelas leis que regiam as divisões da terra, guerras, dívidas etc.

II- MANDAMENTOS VERTICAIS (Êx 20.3-8)

Os Dez mandamentos contém duas divisões básicas: Os primeiros quatro, cujo foco é Deus, são chamados de verticais, e os seis últimos, cujo foco está no próximo, são chamados de horizontais. Seguiremos essa divisão didática.

1- Não terás outros deuses (Êx 20.3) “Não terás outros deuses diante de mim.”

Os dois primeiros mandamentos se complementam. No primeiro Deus diz que não se deve servir outros deuses e no segundo proíbe a fabricação de ídolos e imagens de qualquer coisa no céu, na terra e debaixo da terra. Essa proibição inclui o próprio Deus, ou seja, Ele não pode ser confinado aos limites de imagens, pessoas, símbolos ou qualquer outra coisa, pois é o Espírito. Ele deve ser adorado sem o uso de imagens. O primeiro mandamento não é, essencialmente, uma proibição à adoração de outros deuses, como se Deus temesse rivais, mas uma afirmação de que não existem outros. Os outros “deuses” são apenas ídolos fabricados pelo homem. Deus é único.

2- O uso do nome de Deus (Êx 20.7) “Não tomarás o nome do Senhor, teu Deus, em vão, porque o Senhor não terá por inocente o que tomar o seu nome em vão.”

O nome de DEUS não é amuleto verbal, nem senha para ser usado em vão. Deve ser usado com cuidado e reverenciado. Em Êxodo 3.14, Deus já revelara a Moisés seu nome: EU SOU O QUE SOU. E o nome pessoal de Deus. Os comentaristas mais conceituados rejeitam a transliteração para “Jeová”, preferindo Yahweh (lê-se lavé). É o tetragrama sagrado e inefável (YHWH) acrescido, séculos mais tarde, de algumas vogais para ajudar os leitores. A versão Almeida Atualizada (ARA) traduz o nome de Deus para SENHOR. Como seguidores do Novo Testamento, nós também temos um nome inefável e acima de todos os nomes, o nome de Jesus (Fp 2.9-11). Ser cristão é se identificar e reverenciar o nome de Jesus expressando seu caráter em nós. Em mais de vin­te ocasiões, somente no evangelho de João, Jesus usou a expressão “EU SOU” em relação a si próprio, sendo que em sete delas ele usa metáforas que aponta para algum aspecto da sua obra como, por exemplo: “Eu Sou o pão da vida” (Jo 6.35); “Eu sou a luz do mundo” (Jo 8.12). O nome de Jesus também não é amuleto verbal, nem senha espiritual. Deve ser reverenciado.

3- O sábado de descanso (Êx 20.8) Lembra-te do dia de sábado, para o santificar.

A questão de um dia semanal para descanso e adoração encontra muita discussão modernamente. Devem os cristãos guardar o sábado? O Novo Testamento nos diz que Jesus é o Senhor do sábado e que este apontava para sua própria obra. A palavra “sábado” não significa sétimo dia, ela vem de uma raiz hebraica que significa descansar ou cessar. Depois da ressurreição de Cristo, os cristãos passaram a guardar o domingo, em vez do sábado, porque eles entenderam que o dia do descanso falava sobre redenção. O sábado marca o fim da obra da criação e o domingo o fim da obra da redenção. Jesus Cristo consumou a obra da redenção na cruz e ressuscitou no domingo (Mt 28.1-6).

Ele apareceu aos seus discípulos no domingo (Jo 20.19-29). Num domingo, o Espírito Santo foi derramado (At 2.1-4). Num domingo, a igreja cristã se reunia para ofertar e adorar (1Co 16.2) e celebrar a ceia (At 20.7). Num domingo Jesus apareceu a Joao na Ilha de Patmos para trazer-lhe a revelação apocalíptica (Ap 1.10). Desde então, a igreja cristã, ao longo dos séculos, tem separado o primeiro dia da semana, o dia do Senhor, para dedicar-se e consagrar-se a Deus e a sua obra. Cristo e nosso descanso. Nele nós descansamos. Um comentarista diz algo interessante: “Cristo levou O Sábado com ele para O túmulo e de lá trouxe o dia do Senhor na manhã da ressurreição”.

III- MANDAMENTOS HORIZONTAIS (Êx 20.12-17)

A ordem e a estrutura dos Dez Mandamentos é perfeita e plena de sentido. Nosso relacionamento com Deus determina como serão os nossos relacionamentos com as demais pessoas.

1- Honrarás pai e mãe e não matarás (Êx 20.12,13) “Honra teu pai e tua mãe, para que se prolonguem os teus dias na terra que o Senhor, teu Deus, te da.”; “Não matarás.”

Tudo começa em casa, na forma como tratamos nossos pais. Grande parte das crises e problemas do mundo é oriunda de famílias desajustadas. O quinto mandamento nos mostra como o filho deve agir com seus pais. “Honra o teu pai e a tua mãe” é a ordem inicial. É mais do que “obede­cer a teu pai e a tua mãe “. é honrar. Isso vai além da mera obediência, ainda que esta esteja implícita. Honrar é tributar peso, dar dignidade, reconhecer sua autoridade. O sexto mandamento e o menor de todos: não matarás. Contém somente dez letras. Seu conteúdo é simples: uma pessoa não pode tirar a vida da outra. Sugiro lermos também Gênesis 9.6: “Quem derramar sangue de homem, pelo homem terá o seu sangue derramado; porque Deus fez o homem a sua imagem”. Não ma­tar é bem mais do que não dar um tiro em alguém. Há várias formas de assassinar alguém:
a) Por omissão;
b) Por falta de misericórdia. Oprimir alguém economicamente, prejudicá-lo nos negócios, fraudá-lo ou desviar recursos públicos são também formas de matar; talvez a longo prazo;
c) Há assassinatos por palavras. O mau uso da língua tem matado a muitos. Palavras duras, falsas, cruéis e impensadas matam. Há, inclusive, assassinatos cometidos do púlpito através de microfones por homens religiosos.

2- Não adulterarás e não furtarás (Êx 20.14,15) “Não adulterarás.”; “Não furtarás.”

Uma coisa que deve ficar claro é que ao proibir algo (mandamentos negativos), Deus estava ordenando a seu inverso. O sétimo mandamen­to implica a ideia de devassidão, de fornicação, sexo antinatural:’ Mais tarde tomou o sentido mais restrito de uma relação extramatrimonial. A finalidade clara do mandamento e a proteção da família. Nossa cultura massifica o sexo tornando-o alga ba­nal. A glorificação do sexo e o apelo a sensualidade são muito fortes em nossos dias. Há, inclusive, aqueles que relativizam o adultério dizendo que foi “só sexo”. Jesus ultrapassa o mero aspecto legal e diz que o adultério pode existir sem que o ato em si tenha sido consumado (Mt 5.27,28).

Quando o ato é praticado, o pecado já aconteceu, na mente e no coração cheio de lascívia (Mt 15.19). Para essa razão o Novo Testamento enfatiza a pureza mental, mais do que a sexual. Porque a primeira produzirá a segunda (Fp 4.8). O oitavo mandamento – Não furtarás – é uma exortação a se respeitar a propriedade alheia. A forma negativa do mandamento é clara: Não se deve possuir nada que não se tenha conseguido honestamente. Furto é diferente de roubo. Furto é apropriar-se de algo sem violência, enquanto roubo acontece quando há violência ou ameaça. Se proíbe o furto, o que se dirá do roubo que exige violência?

3- Não dirás falso testemunho e não cobiçarás (Êx 20.16,17) “Não dirás falso testemunho contra o teu próximo. Não cobiçarás a casa do teu próximo. Não cobiçarás a mulher do teu próximo, nem o seu servo, nem a sua serva, nem o seu boi, nem o seu jumento, nem coisa alguma que pertença ao teu próximo.”

A preocupação do nono mandamento era com a possibilidade de alguém jurar falso num tribunal em Israel. As consequências seriam irreparáveis, podendo implicar na morte da pessoa acusada. Mas a abrangência vai além. Significa que deve haver verdade no falar. Uma língua falsa, fofoqueira e caluniadora tem sido um problema até em muitas igrejas. Como se fala mal das pessoas. Chega a ser quase um divertimento para alguns. O décimo mandamento – Não cobiçar pessoas ou bens do próximo – está na esfera dos sentimentos. É um desdobramento do sexto, sétimo e oitavo. Se o sexto manda­mento proibia o assassinato, o séti­mo o adultério e oitavo o furto, esse proíbe a motivação. Vai mais fundo que os anteriores, pois cuida da base. A ordem dos mandamentos é inteligentíssima: primeiro, Deus; depois, a família; depois o próximo e, por fim, as coisas.

APLICAÇÃO PESSOAL

Jesus não cancelou nem modificou a lei de Moisés. Ele a cumpriu integralmente e nos capacita, pelo Espírito Santo, a vivermos de modo santo e irrepreensível.

Gostou do site? Ajude-nos a manter e melhorar ainda mais este Site.
Nos abençoe com Uma Oferta pelo PIX: CPF 346.994.088.69 – Seja um parceiro desta obra. “(Dai, e dar-se-vos-á; boa medida, recalcada, sacudida, transbordante, generosamente vos dará; porque com a medida com que tiverdes medido vos medirão também. Lucas 6:38 )”

RESPONDA

1) Segundo a lição, o que os Dez Mandamentos revelam sobre a pessoa de Deus? R. Que Deus é um ser moral, pessoal e sábio
2) Na classificação dos Dez Mandamentos, o que significa a expressão “mandamentos verticais”? R. São aqueles cujo foco é o próprio Deus
3) Mencione dois dos mandamentos horizontais aprendidos na lição? R. Honrarás pai e mãe; não matarás

SAIBA TUDO SOBRE A ESCOLA DOMINICAL:

Adultos CPAD

Adultos Betel

Jovens CPAD

Jovens Betel

Adolescentes CPAD

Bíblia Online

EBD Juniores Professor CPAD

EBD Pecc (Programa de Educação Cristã Continuada) | 3° Trimestre De 2022 | Tema: ÊXODO – LEVITICO: Libertação e Adoração | Escola Biblica Dominical | Lição 08: Êxodo 20 – Os Dez Mandamentos

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.