Lição 09: O treinamento de líderes segundo o modelo de Jesus | 4° Trimestre de 2022 | EBD JOVENS

EBD | 4° Trimestre De 2022 | CPAD – Revista Jovens – Tema: Liderança na Igreja de Cristo – Escolhidos por Deus para Servir | Escola Bíblica Dominical | Lição 09: O treinamento de líderes segundo o modelo de Jesus

TEXTO PRINCIPAL

“E, chamando os seus doze discípulos, deu-lhes poder sobre os espíritos imundos, para os expulsarem e para curarem toda enfermidade e todo mal.” (Mt 10.1)

RESUMO DA LIÇÃO

Jesus não somente discipulou os apóstolos, mas Ele nos deixou o modelo de um discipulado eficaz.

LEITURA SEMANAL

SEGUNDA – Mc 16.15-20 Jesus garantiu poder aos seus discípulos
TERÇA – Mt 7.21-23 Quem entra no Reino dos Céus
QUARTA – 2 Co 12.9 A graça do Senhor nos basta
QUINTA – 2 Co 4.7-15 Às fragilidades dos servos
SEXTA – Rm 15.1-13 Cristo, exemplo de sacrifício
SÁBADO – Mt 28.18-20 Fazei discípulos

OBJETIVOS

SABER como se deu a escolha dos primeiros discípulos de Jesus;
COMPREENDER o treinamento de Jesus com os primeiros discípulos:
MOSTRAR que a liderança de Jesus era discipulador

INTERAÇÃO

Prezado(a) professor(a), na liça deste domingo estudaremos a liderança de Jesus Cristo, a única que não há falhas. Jesus é o modelo de uma liderança perfeita e capaz de produzir muitos frutos para a glória de Deus. Ele exerceu seu ministério em um tempo difícil para os judeus, pois a Palestina estava sob o domínio romano. Por essa razão, a maioria das pessoas, esperavam um líder político que os libertasse do poder romano. Contudo, o Mestre sempre deixou bem claro que o seu Reino não era deste mundo, mas sim divino. Os princípios da liderança de Jesus estão de acordo com o Reino de Deus. Temos muito a aprender com aquEle que veio implantar uma forma de liderar centrada no amor, na bondade e nos princípios do Pai. Jesus é o maior líder de toda a humanidade.

ORIENTAÇÃO PEDAGÓGICA

Professor(a), explique aos alunos que “no início do seu ministério, Jesus escolheu doze seguidores de um grupo enorme para formar um grupo mais próximo de discípulos” (Mc 3.13-19). Conforme Ele os fez recordar posteriormente, o fato de se tornarem parte integrante desse grupo mais íntimo devia-se ao fato de eles os ter escolhido, e não de eles terem feito uma escolha (Jo 15.16). Tinham dois propósitos principais: estar ‘com’ Jesus, como seguidores, e para que eles os ‘enviasse a pregar’, como os representantes de Jesus (Mc 3.14).

Em grego, o termo para enviar a pregar e apóstolos, e, assim, os Doze também passaram a ser conhecidos como ‘os apóstolos’. Tinham de estar com Jesus durante todo o seu ministério para ouvir a mensagem e aprender sua forma de viver: depois, eles foram enviados por Jesus para as cidades e vilarejos de Israel, para disseminar a mensagem sobre o Reino e para demonstrar isso por intermédio dos mesmos sinais milagrosos que Jesus usará (Mc 3.14,15).

Depois da ressurreição, esses discípulos (com exceção de Judas, que traiu Jesus) tinham de Levar a mensagem sobre Ele ao mundo (Mt 28.19)’ (Guia Cristão de Leitura da Bíblia. Rio de Janeiro, CPAD, 70).

TEXTO BÍBLICO

Mateus 10:1-15

1 E, chamando os seus doze discípulos, deu-lhes poder sobre os espíritos imundos, para os expulsarem, e para curarem toda a enfermidade e todo o mal.
2 Ora, os nomes dos doze apóstolos são estes: O primeiro, Simão, chamado Pedro, e André, seu irmão; Tiago, filho de Zebedeu, e João, seu irmão;
3 Filipe e Bartolomeu; Tomé e Mateus, o publicano; Tiago, filho de Alfeu, e Lebeu, apelidado Tadeu;
4 Simão, o Cananita, e Judas Iscariotes, aquele que o traiu.
5 Jesus enviou estes doze, e lhes ordenou, dizendo: Não ireis pelo caminho dos gentios, nem entrareis em cidade de samaritanos;
6 Mas ide antes às ovelhas perdidas da casa de Israel;
7 E, indo, pregai, dizendo: É chegado o reino dos céus.
8 Curai os enfermos, limpai os leprosos, ressuscitai os mortos, expulsai os demônios; de graça recebestes, de graça dai.
9 Não possuais ouro, nem prata, nem cobre, em vossos cintos,
10 Nem alforges para o caminho, nem duas túnicas, nem alparcas, nem bordões; porque digno é o operário do seu alimento.
11 E, em qualquer cidade ou aldeia em que entrardes, procurai saber quem nela seja digno, e hospedai-vos aí, até que vos retireis.
12 E, quando entrardes nalguma casa, saudai-a;
13 E, se a casa for digna, desça sobre ela a vossa paz; mas, se não for digna, torne para vós a vossa paz.
14 E, se ninguém vos receber, nem escutar as vossas palavras, saindo daquela casa ou cidade, sacudi o pó dos vossos pés.
15 Em verdade vos digo que, no dia do juízo, haverá menos rigor para o país de Sodoma e Gomorra do que para aquela cidade.

INTRODUÇÃO

Jesus é o modelo de líder. Um dos aspectos mais significativos da sua liderança é o cuidado que Ele teve de chamar os seus discípulos e treiná-los para darem continuidade a sua obra. Nesta Lição estudaremos os aspectos da liderança de Jesus.

I- JESUS ESCOLHE OS SEUS DISCÍPULOS

1- Os apóstolos são convocados. O capítulo 10 de Mateus retrata o momento em que Jesus chamou os doze primeiros discípulos, aqueles que vieram a ser os seus apóstolos. Mateus diz que ele “chamou os seus doze discípulos” (10.1), a expressão indica um chamado para si, uma convocação, ou mesmo, uma reunião solene. O evangelista Marcos registra o mesmo episódio informando que Jesus “chamou para si os que ele quis” (3.13) e no caso de Lucas a informação é de que Jesus fez essa escolha após ter orado uma noite inteira (6.12).

Estes textos nos mostram que, antes de cumprirem a missão para a qual foram designados, os apóstolos tiveram que conhecer pessoalmente Jesus. Depois foram vocacionados e antes de testemunharem foram autorizados por Jesus. Então eles foram chamados, vocacionados e autorizados pelo Mestre.

2- Os apóstolos são enviados. Depois de selecionar aqueles que seriam o seus apóstolos (Lc 6.12.13), o Senhor Jesus os enviou, dando-lhes as orientações necessárias (Mt 10.5-42). Ao retratar o mesmo episódio, o evangelista Marcos utiliza o termo “nomeou” ao se referir aqueles que foram escolhidos por Jesus como apóstolos (Mc 3.14). Esse termo diz respeito a alguém que com autoridade, empenha o seu próprio nome para designar alguém para que cumpra uma função.

Os apóstolos foram nomeados por Jesus para que pudessem representá-lo na propagação do Evangelho e na implementação de seu Reino na Terra. A designação dos doze apóstolos se deu no início do ministério de Jesus. Depois, no auge do seu ministério na Galileia. Ele constatou que “a seara é realmente grande, mas poucos são os ceifeiros” (Mt 9.35-38). Diante disso, o Mestre não se contentou com o sucesso imediato, mas viu a necessidade de avançar ainda mais e de enviar representantes na propagação de sua mensagem.

Jesus demonstrou ser um líder visionário e corajoso. Visionário ao perceber a necessidade de ampliar os limites de sua atuação e corajoso ao destacar homens para auxiliá-lo em sua missão. O Senhor Jesus não somente separou os doze apóstolos, mas também os enviou, sendo este o método por Ele escolhido para estruturar a sua igreja.

3- Os apóstolos são orientados. Depois de separar os Doze e conceder a eles autoridade, o Senhor Jesus passou a orientá-los a respeito da missão que haveriam de cumprir e de como deveriam se comportar diante das diferentes situações a que seriam submetidos. Jesus dá a incumbência, mas também oferece orientações e deixa claro que o cumprimento da missão é tão importante quanto a sua forma.

Não basta fazer o que é certo é preciso fazer do jeito certo. Além disso, Jesus não fala a respeito de resultados numéricos do trabalho, mas dá ênfase a forma de realizá-lo. O que nos mostra que os resultados quantitativos são de responsabilidade divina (1Co 3.6) e os Doze foram chamados para serem fiéis naquilo para o qual foram vocacionados. As orientações que Jesus deu aos apóstolos nos mostram que é preciso ter foco naquilo que realmente é importante. Também é necessário saber qual a mensagem que deve ser pregada: ser simples, mas ao mesmo tempo prudente e cauteloso no cumprimento da missão.

PENSE! Quais foram as etapas do treinamento de Jesus na vida dos primeiros discípulos?
PONTO IMPORTANTE! Primeiro, Jesus convocou os Doze, depois ofereceu ensinamentos e em seguida os enviou.

SUBSÍDIO 1

“Discípulo era um termo comum no século I para uma pessoa que era um seguidor compromissado de um líder religioso, filosófico ou político. No mundo judaico, o termo era particularmente usado para os estudantes de um rabi, o mestre religioso. Nos Evangelhos, Joao Batista e os fariseus tinham grupos de discípulos (Mc 2.18: Mt 22.15.16). Esses discípulos, com frequência, eram os alunos mais promissores que passaram pelo sistema de educação judaica – os que já tinham memorizado as Escrituras hebraicas e demonstraram o potencial para aprender os ensinamentos específicos dos rabis sobre a lei e os profetas a fim de que pudesse ensinar isso a outros.

Portanto, era uma grande honra e responsabilidade ser chamado por um rabi para ser seu discípulo. Os discípulos aprenderam os ensinamentos de seu rabi vivendo com ele e seguindo-o aonde quer que vá. Uma frase daquele tempo descrevia os discípulos como aqueles que ‘ficavam cobertos pela poeira do rabi’, porque, literalmente, seguiam de muito perto seus mestres.” (Guia Cristão de Leitura da Bíblia. Rio de Janeiro. CPAD. 69.)

II – O TREINAMENTO DE JESUS

1- Força na fraqueza. Nenhum dos doze apóstolos fazia parte da alta cúpula religiosa judaica, mas ao contrário disso, a marca principal de cada um deles é a sua irrelevância no cenário espiritual da época. Homens simples, pescadores e cobradores de impostos, são algumas das características dos que foram escolhidos por Jesus para fazerem parte de seu grupo mais íntimo e que vieram a receber dEle o treinamento para que pudessem representá-lo, disseminando assim os princípios de seu reino.

A maior parte dos homens escolhidos por Jesus para serem apóstolos não tinha o perfil de um líder. Foi exatamente nas Limitações e nas fraquezas de cada um deles que Cristo manifestou o seu poder (2 Co 12.9). Contrariando as expectativas humanas, o Senhor Jesus escolheu homens improváveis, mas que sob o poder do Espírito Santo, foram responsáveis pela propagação do Evangelho em seus dias, lançando os primeiros fundamentos da fé cristã de tal forma que ainda hoje os seus frutos são colhidos. Deus operou e continua operando o seu poder por meio da fraqueza dos homens.

2- O processo do treinamento. Lucas 6.13 mostra que aos Doze escolhidos foi dado o nome de apóstolos. Contudo devemos levar em conta que para chegar a este ponto eles passaram por um processo lento, gradual e progressiva. Em um primeiro momento, acompanhavam Jesus para ouvi-lo, sem um compromisso permanente. Depois é possível identificá-los sendo encorajados a deixar tudo para seguir ao Mestre integralmente. Finalmente eles são designados a representarem a Cristo e realizarem obras miraculosas, vindo a ser chamados de apóstolos (Mt 10.1-15).

O treinamento que Jesus deu aos seus discípulos durou em média de­zoito meses, isto é, um ano e meio. Tratou-se de um treinamento intensivo, completo e bem fundamentado. Há muito que se falar do treinamento a que os Doze foram submetidos, mas veremos somente alguns pontos:

a) Jesus abriu o entendimento deles para que compreendessem no que estavam envolvidos:
b)Jesus tratou o egoísmo, a soberba e a prepotência, tornando-os humildes para o trabalho:
c) Fortaleceu a fé deles:
d) Revelou o aspecto eterno da missão na qual eles estavam envolvidos e deu-lhes poder espiritual para cumprir a missão.

Durante o treinamento, Jesus tocou em partes difíceis da personalidade de cada discípulo, mas sem ofendê-los ou desanimá-los. O Mestre demonstrou um amor verdadeiro e deixou claro que não obstante as muitas fraquezas dos discípulos, Ele contava com cada um deles (Jo 21.15-19).

3- O resultado do treinamento. Após a sua ressurreição e momentos antes de ascender ao céu, o Senhor Jesus ordenou aos seus discípulos para que não se ausentassem de Jerusalém até que fossem cheios do Espírito Santo, o que veio a acontecer dias depois, quando cerca de cento e vinte irmãos puderam desfrutar do cumprimento dessa promessa (Lc 24.49; At 2.1-4). Este acontecimento marcou um novo tempo na história dos discípulos.

Pois, no momento da prisão, da crucificação e da morte de Jesus, parecia que tudo o que haviam aprendido no treinamento deixou de fazer sentido. Entretanto, a descida do Espírito Santo não só reacende a chama apagada, mas também potencializa todos os ensinamentos recebidos na companhia de Jesus, e assim cada um desses discípulos se encoraja e avança na implementação do Reino de Deus em todos os lugares (At 1.8).

Este resultado foi tão significativo que, com exceção de João, todos os demais apóstolos tiveram as suas vidas oferecidas como mártires em amor e devoção ao seu Mestre e a sua causa.

PENSE! O que de mais importante Jesus usou para treinar seus discípulos?
PONTO IMPORTANTE! O Mestre usou o amor, para treinar e preparar os apóstolos.

SUBSÍDIO 2

Professor(a), explique aos alunos que Jesus se tornou muito popular e por onde passava atraia multidões. Muitos apenas seguiam o Mestre, mas não eram seus discípulos, pois ser um discípulo envolvia um preço e muitos não estavam dispostos a pagá-lo. Atualmente também, muitos querem ser abençoados por Jesus, mas poucos querem se tornar discípulos. Diga que os homens escolhidos por Jesus não faziam parte da cúpula religiosa judaica e que o processo de treinamento pelo qual passaram foi lento, gradual e progressivo. Pois um líder sempre tem algo a aprender.

III – UMA LIDERANÇA DISCIPULADORA

1- Jesus e o discipulado. Jesus não somente ordenou acerca do discipulado (Mt 28.19-20), mas durante o seu ministério terreno esteve envolvido nesta tarefa, servindo de modelo a Igreja, e de uma forma especial aos líderes cristãos. O termo ‘discipulado’ vem do latim dis­cipulatus, e aponta para o trabalho de ensinar e instruir a outros. O discipulador é aquele que trabalha na formação de discípulos, que, por sua vez, são aqueles que aceitam aprender em sua companhia. A relação de Jesus com os seus apóstolos é uma demonstração perfeita da dinâmica de uma liderança fundamentalmente discipuladora.

O Mestre dedicou o seu tempo para ensinar aos seus discípulos e permitiu que estes entrassem em sua vida para o processo de treinamento. Jesus não ensinou somente com palavras, mas, sobretudo, pelo exemplo, como no episódio em que lavou os pés de seus discípulos (Jo 13.1-15). O Filho de Deus ensinava como quem tem autoridade, pois vivia aquilo que ensinava (Mt 7-28,29). Os discípulos foram tão influenciados pelos ensinos e pela vida de Jesus que, de acordo com as palavras de Pedro, eles não desejavam estar em outra companhia que não fosse a do Mestre (Jo 6.67-68).

Há outras passagens bíblicas que podem confirmar o envolvimento de Jesus com o discipulado, como o compromisso dos apóstolos após a ressurreição de Jesus e a sua ascensão, demonstrado pelo martírio da maioria deles. Jesus exerceu a sua liderança, preparando os seus representantes por meio do discipulado.

2- O modelo do discipulado de Je­sus. O Senhor Jesus não só treinou seus ajudantes, mas Ele deixou um modelo de discipulado para nós. Jesus não tratou o discipulado como algo isolado em seu ministério, pelo contrário, essa prática permeou toda a sua trajetória terrena, afinal de contas, todas as suas ações se deram na presença de seus discípulos (Jo 20.30).

O modelo de discipulado deixado por Jesus é algo que flui naturalmente na vida da igreja, como demonstração clara de que, assim como o seu Senhor, essa igreja está envolvida com a formação do caráter de Cristo nas pessoas. Seguir o modelo de discipulado de Jesus é viver os princípios deixados por Ele: o princípio do amor, do perdão e da misericórdia. O discipulado foi parte inseparável do ministério de Jesus.

3- O Líder discipulador. À semelhança de Jesus, todo líder cristão deve se empenhar para que a sua Liderança seja caracterizada pelo discipulado. O modelo deixado por Jesus é o de um Líder discipulador. Podemos afirmar que a Liderança discipuladora e dedicada aos outros (Rm 12.10): honra e aceita o próximo (Rm 15.7): instrui os outros: é compassiva e pronta a perdoar (Ef 4.32) e encoraja os outros (1 Ts 5.11). O líder discipulador não busca o próprio benefício, mas está interessado no bem do outro, isto é, de seus Liderados, com o objetivo de gerar Cristo neles (Gl 4.19).

Além disso, o líder discipulador compreende que a formação do caráter de Cristo em seus Liderados não é uma tarefa de alguns dias, nem de poucos meses, e nem mesmo de vários anos, mas é um trabalho de uma vida inteira. Jesus dedicou todo o tempo que teve para treinar e preparar os seus discípulos, e prometeu que, ao deixá-los, enviaria o Espírito Santo para conduzi-los naquilo que aprenderam (Jo 16.12.13).

PENSE! Você acredita na força do discipulado para estabelecer alicerces lidos na vida dos crentes?
PONTO IMPORTANTE! O discipulado é uma missão extre­mamente importante e necessária a igreja do Senhor.

SUBSIDIO 3

Explique aos alunos que “a salvação é um presente, mas o discipulado é caro. Aqueles que seguem Jesus devem estar propensos a pagar o alto preço. Ele quer que as pessoas se deem conta de que considerar o custo antes de tomar uma decisão é assunto sério. Requer arrependimento e compromisso total a Jesus.” (Comentário 81b!ico Pentecostal. Vol 1. Rio de Janeiro, CPAO, 418.)

CONCLUSÃO

Nesta lição, aprendemos a respeito do modelo de liderança deixado por Jesus. O Mestre chamou aqueles que foram os seus apóstolos e se dedicou em treiná-los, preparando-os de diferentes formas, potencializando as suas respectivas qualidades, mudando aquilo que precisava, e servindo-lhes como discipulador. Jesus capacitou seus apóstolos para a tarefa a que eles foram incumbidos.

HORA DA REVISÃO

1- Quem é o nosso modelo de liderança? Jesus Cristo
2- Segundo a lição, o que indica a expressão “chamou os seus doze discipulos”? A expressão indica um chamado para si uma convocação, ou mesmo. uma reunião solene
3- O que foi preciso antes dos apóstolos serem designados? Eles tiveram que conhecer a Jesus pessoalmente.
4- Quais foram as etapas, segundo a lição, da convocação dos discípulos? Jesus chamou os discípulos, os treinou, concedeu-lhes poder e autoridade e os enviou.
5- Para que os apóstolos foram nomeados por Jesus? Para representarem a Cristo e realizarem obras miraculosas

Gostou do site? Ajude-nos a manter e melhorar ainda mais este Site.
Nos abençoe com Uma Oferta pelo PIX: CPF 346.994.088.69 Seja Um Parceiro Desta Obra. “Dai, e dar-se-vos-á; boa medida, recalcada, sacudida, transbordante, generosamente vos dará; porque com a medida com que tiverdes medido vos medirão também”. Lucas 6:38

SAIBA TUDO SOBRE A ESCOLA DOMINICAL:

LIÇÃO Adultos – CPAD

LIÇÃO Jovens – CPAD

LIÇÃO Adolescentes – CPAD

LIÇÃO Adultos – Editora Betel

LIÇÃO Jovens – Editora Betel

LIÇÃO Adultos – Revista PECC

BIBLIA ONLINE

ESBOÇO DE PREGAÇÃO

EBD | 4° Trimestre De 2022 | CPAD – Revista Jovens – Tema: Liderança na Igreja de Cristo – Escolhidos por Deus para Servir | Escola Bíblica Dominical | Lição 09: O treinamento de líderes segundo o modelo de Jesus

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *