Lição 13: O Senhor está Ali | 4° Trimestre De 2022 | EBD – Adultos

EBD | 4° Trimestre De 2022 | CPAD – Adultos – Tema do Trimestre:  A Glória e a Justiça de Deus – A Igreja e a Convocação do Profeta Ezequiel para um Despertamento Espiritual | Escola Biblica Dominical | Lição 13: O Senhor está Ali

TEXTO ÁUREO

”Não se fará mal nem dano algum em todo o monte da minha santidade, porque a terra se encherá do conhecimento do SENHOR, como as águas cobrem o mar.” (Is 11.9)

VERDADE PRÁTICA

O Deus de Abraão, de Isaque e de Jacó governa soberanamente o seu povo. Ele está no meio do seu povo.

LEITURA DIÁRIA

Segunda – Gn 49.1,2 Jacó abençoa e anuncia o destino dos seus filhos
Terça– Ap 21.12-14 As portas são nomeadas em homenagem às doze tribos de Israel
Quarta– Is 2.2-4 Jerusalém será a sede do governo de Cristo no Milênio
Quinta – Is 60.1 A glória de Deus sobre Jerusalém
Sexta – Ez 3.5 Jerusalém é o centro da terra no meio das nações
Sábado – Ap 21.3 A nossa cidade está nos céus, no mundo vindouro

LEITURA BÍBLICA EM CLASSE
Ezequiel 48.30-35

30 – E estas são as saídas da cidade, desde a banda do norte: quatro mil e quinhentas medidas.
31 – E as portas da cidade serão conforme os nomes das tribos de Israel: três portas para o norte: a porta de Rúben, uma, a porta de Judá, outra, a porta de Levi, outra;
32 – da banda do oriente, quatro mil e quinhentas medidas e três portas, a saber: a porta de José, uma, a porta de Benjamim, outra, a porta de Dã, outra;
33 – da banda do sul, quatro mil e quinhentas medidas e três portas: a porta de Simeão, uma, a porta de Issacar, outra, a porta de Zebulom, outra;
34 – da banda do ocidente, quatro mil e quinhentas medidas e as suas três portas: a porta de Gade, uma, a porta de Aser, outra, a porta de Naftali, outra.
35 – Dezoito mil medidas em redor; e o nome da cidade desde aquele dia será: O SENHOR Está Ali.

Hinos Sugeridos: 38. 380, 432 da Harpa Cristã

PLANO DE AULA

1- INTRODUÇÃO
Concluiremos a lição deste trimestre estudando os aspectos da Jerusalém no Milênio. Por isso, o primeiro tópico apresenta a cidade de Jerusalém no Milênio. O segundo tópico elenca os nomes das doze tribos e o propósito deles no Milênio. E, finalmente, o terceiro tópico mostra <<o Senhor está Ali” como o novo nome da cidade. Veremos que essa lição encerra todo o desenvolvimento das profecias do livro de Ezequiel que estudamos neste trimestre.
2- APRESENTAÇÃO DA LIÇÃO
A) Objetivos da Lição:
I) Apresentar a cidade de Jerusalém no Milênio;
II) elencar os nomes das doze tribos no Milênio;
III) Mostrar que a expressão “o Senhor está Ali” é o novo nome da cidade.
B) Motivação: Que tipo de cidade a Jerusalém do Milênio será? Haverá um palácio real? É uma cidade simbólica ou literal?
C) Sugestão de Método: Antes de iniciar a lição desta semana, faça uma revisão de todo o trimestre com a classe. Destaque os temas que os alunos mais reagiram ao longo do trimestre. Procure mostrar o quanto que o assunto tem lógica, ordem. Faça com que os seus alunos percebam o todo do livro de Ezequiel e o corre­lacione com o tema do trimestre: ”A Glória e a Justiça de Deus: A Igreja e a Convocação do Profeta Ezequiel para um Despertamento Espiritual”
3- CONCLUSÃO DA LIÇÃO
A) Aplicação: Esta lição diz respeito à esperança cristã. Procure aplicar esta lição, aborda do a o assunto da esperança cristã. Lembre-se de que em 1 Coríntios 13.13, a esperança é apresentada como uma das grandes virtudes cristãs, ao lado da fé e do amor.
4- SUBSÍDIO AO PROFESSOR
A) Revista Ensinador Cristão. Vale a pena conhecer essa revista que traz reportagens, artigos, entrevistas e subsídios de apoio à Lições Bíblicas Adultos. Na edição 92, p.42, você encontrará um subsídio especial para esta lição.
B) Auxílios Especiais: Ao final do tópico, você encontrará auxílios que darão suporte na preparação de sua aula: 1) O texto ”Atentemos para o Reino Futuro” amplia o assunto da nova cidade no Milênio; 2) O texto ”O Senhor Está Ali” aprofunda o sentido do novo nome da cidade.

INTRODUÇÃO

Vimos, na primeira lição do trimes­tre, que o livro de Ezequiel antecipa a tradição apocalíptica nas Escrituras. O livro de Ezequiel começa com a visão da glória de Javé e conclui com a descrição da glória de Deus na Jerusalém glorificada. Não é possível compreender o livro de Apocalipse sem os orácu­los de Ezequiel. Encontramos abundantes dados cruzados nesses dois livros e ambos são revelações sobre o fim dos tempos. A presente lição encerra o trimestre estudando os aspectos da Jerusalém do Milênio.

Palavra-Chave: SENHOR

I – SOBRE A CIDADE

Há certa similaridade entre a visão de Ezequiel e a do apóstolo João no livro de Apocalipse, na linguagem e no conteúdo. Mas é importante que os crentes saibam distinguir a diferença entre a Jerusalém do Milênio da Nova Jerusalém do mundo vindouro.

1– ”E estas são as saídas da cidade” (v.30). Essa seção final da profecia é um suplemento não somente do capítulo, mas também do próprio livro. Apesar de o nome da cidade não ser mencionado, o contexto deixa claro que se trata de Jeru­salém. O termo hebraico para ”saídas”, totsa’oth, aparece somente uma vez em Ezequiel e é usado no livro de Números com o sentido de ”limites, extre­midades” (Nm 34.4,5,8,9,12); a versão bíblica Tradução Brasileira emprega ”extremidade” no versículo 4. Como o profeta usa outra palavra para ”saídas” (Ez 42.11; 44.5), muitos expositores do Antigo Testamento acham que ”saí- das”, apesar de semanticamente correta, não se ajusta bem no presente contexto. A ideia, segundo alguns, seria ”estas são as extremidades da cidade”, mas ”saídas” é a forma familiar e mais tradicional, mantida na Septuaginta, a versão grega do Antigo Testamento, e nas nossas versões atuais da Bíblia.

2- Formato da cidade (v.31). A des­crição da cidade de Ezequiel revela ser ela quadrada (Ez 48.16), e nessa visão suplementar, o profeta fala de quatro lados descritos no sistema horário: norte, leste, sul e oeste, um tipo da Nova Jerusalém (Ap 21.16). A extensão de cada lado é de ”quatro mil e quinhentas medidas” ou: ”dois mil duzentos e cinquenta metros” (Ez 48.16 – NAA). A cidade de Jerusalém nunca teve a sua área territorial quadrada e nem a sua arquitetura em nenhum período histórico. O que o profeta está revelando é algo novo até então, é uma figura da Nova Jerusalém do mundo vindouro.

3- As doze portas (vv.31-34). A Jeru­salém histórica do período de Ezequiel e Jeremias possuía pelo menos seis portas segundo o livro de Jeremias: Porta do Povo (Jr 17.19); Porta do Sol (Jr 19.2); Porta de Benjamim (Jr 20.2; 37.13; 38.7); Porta da Esquina (Jr 31.38); Porta dos Cavalos (Jr 31.40); Porta do Meio (Jr 39.3); e Porta Entre os Muros (Jr 52.7). A torre do templo de Marduque, deus dos babilônios, Etemananki, tinha um recinto quadrado cujo acesso era por doze portas. Ezequiel conhecia a sua cidade de origem (Ez1.1- 3), talvez conhecesse também a torre de Marduque em Babilônia, pois vivia entre os exilados de Babilônia.

4- Origem do formato e das portas. Deus é a fonte da revelação e da inspiração da visão e da mensagem de Ezequiel. Não se pode admitir que o profeta se inspirou num templo pagão, pois os oráculos entregues ao profeta, seja por imagem ou som, ou seja, visão ou palavra, vieram de Javé (Ez 1.3; 3.14; 8.1-3). Apesar de ser literal, pela descrição da cidade, ela é uma figura da Nova Jerusalém (Ap 21.10-13), cujo arquiteto e construtor é o próprio Deus (Hb 11.10). Por que Ezequiel se inspiraria na cidade de Babilônia? Isso não faz sentido.

SINOPSE I

Deus é o arquiteto e construtor da nova Jerusalém, a cidade do Milênio.

II – SOBRE O NOME DAS DOZE TRIBOS

Os patriarcas Abraão, Isaque e Jacó aparecem com frequência nas Escritu­ras como representantes e fundadores da nação de Israel. Outras vezes, são os nomes dos doze filhos de Jacó para representar as doze tribos de Israel.

1- As doze tribos de Israel. Há cerca de 20 listas dos filhos de Jacó e das respectivas tribos de Israel no Antigo Testamento, mas não existe nenhum padrão. Por exemplo, a lista com os quatro primeiros nomes, Rúben, Simeão, Levi e Judá seguem a ordem de nascimento (Gn 35.22-27;46.8-27; 49.3-27; Êx 1.1-6). Outras listas divergem a partir do quinto nome (Nm1.5-17; 13.4- 16). A lista de Ezequiel segue no sentido horário a partir do norte da cidade com Rúben, Judá e Levi (v.31); leste, ou oriente: José, Benjamim e Dã (v.32); sul: Simeão, Issacar e Zebulom (v.33); oeste, ou ocidente: Gade, Aser e Naftali (v.34).

2- Critério da ordem dos nomes. Pelo relato do nascimento deles, a melhor explicação da ordem dos nomes parece ter sido o critério das mães deles ou pelo menos uma tentativa. Leia e Zilpa, de um lado (Gn 29.32-35; 30.10-13); Raquel e Bila, de outro (Gn 30.6-8; 22-24). A diferença é que Naftali é filho de Raquel por meio de sua serva Bila (Gn 30.8) e está junto com Gade e Aser (Ez 48.34), filhos de Leia por meio de Zilpa (Gn 30.10-13). Toda escolha tem seu propósito, nada é aleatório, os escritores bíblicos sabiam o que estavam fazendo; a questão é que nós desconhecemos esses critérios.

3- Propósito dos nomes. Dos três patriarcas do Gênesis, Abraão, Isaque e Jacó, o último deles foi o único em que não houve eliminatória dos filhos para a formação da nação de Israel. De Abraão, o filho escolhido foi !Isaque (Gn 17.20,21); de Isaque, o filho escolhido foi Jacó (Gn 25.23; Rm 9.10-13); de Jacó, todos foram incluídos na nação escolhida (Êx 1.1-6). Esses doze filhos de Jacó deram os seus nomes aos doze territórios na terra de Canaã, durante a partilha da terra sob a liderança de Josué (Js 14.1-3). Assim, o propósito desses doze nomes dos filhos de Jacó, como representantes da nação, está claro também no éfode sacerdotal: “E porás as duas pedras nas ombreiras do éfode, por pedras de memória para os filhos de Israel; e Arão levará os seus nomes sobre ambos os seus ombros, para memória diante do Senhor” (Êx 28.12). O nome nas doze portas da Jerusalém milenar, bem como na Nova Jerusalém, tem por propósito a memória dos filhos de Israel.

SINOPSE II

O nome nas doze portas da Jerusalém milenar tem por propósito a memória dos filhos de Israel.

AUXÍLIO TEOLÓGICO

ATENTEMOS PARA O REINO FUTURO
“O livro de Ezequiel começa a des­crevendo a santidade de Deus, que Israel menosprezou e ignorou. Como resultado, a presença de Deus partiu do Templo, da cidade e da vida do povo. O livro termina com uma visão detalhada do novo Templo, da nova cidade e do novo povo, todos demonstrando a santidade de Deus. As pressões diárias da vida podem nos fazer focar o presente, o aqui e agora, e levar-nos a esquecer de Deus. E por isso que a adoração é tão importante; tirar nossos olhos de nossas preocupações atuais, a fim de que atentemos para a santidade de Deus e para seu Reino futuro. A presença de Deus torna tudo glorioso, e a adoração nos leva à sua presença” (Bíblia de Estudo Aplicação Pessoal. Rio de Janeiro: CPAD, 1995, p.1087).

AMPLIANDO O CONHECIMENTO

O REINO MILENIAL DE CRISTO
O reino milenial de Cristo introduzirá a manifestação eterna da glória do Cordeiro de Deus. Sem a doutrina bíblica do Milênio, não teríamos nenhuma ligação entre a história e a ordem eterna de Deus. Esta era de ouro não será apenas a forma de Deus estabelecer vínculos históricos, mas também restituirá ao homem por meio do Deus-homem, Jesus Cristo, o domínio perdido pela queda de Adão. O Messias será engrandecido como o Filho de Davi; Ele ocupará o trono de Davi e reinará sobre a casa de Davi a partir da cidade de Davi: Jerusalém. Leia mais em Enciclopédia Popular de Profecia Bíblica, CPAD, p.320).

III – O SENHOR ESTÁ ALI

Esse é o novo nome da Cidade de Jerusalém depois de sua purificação e restauração espiritual, sem deixar lembranças da idolatria, prostituição e violência. O nome Jerusalém não conseguiu deletar, da memória do povo, as abominações do passado, por isso esse nome precisa ser mudado.

1- Os nomes da cidade. O primeiro nome da cidade de Jerusalém é Salém (Sl 76.2), que significa paz (Hb 7.2), desde os dias do patriarca Abraão (Gn 14.18). Ela foi chamada também de Jebus (Jz 19.10) que esteve sob o domínio dos jebuseus e só foi conquistada por Davi depois de alguns séculos da conquista de Canaã, e chamada também de Cidade de Davi (2 Sm 5.6,7). Ela é também chamada de Sião e de Ariel (Is 2.3; 29.1,2). Jerusalém é o nome mais conhecido e significa ”cidade de paz”. Mas esse nome não aparece no suplemento da profecia de Ezequiel; a cidade é identificada pelas características ali apresentadas (Ap 20.1-6). Ela é chamada, em Apocalipse, de ”arraial dos santos, a cidade amada” (Ap 20.9).

2- O nome divino. Os nomes de Deus não são apenas um apelativo, nem simplesmente uma identificação pessoal, mas são .inerentes ‘a sua natureza e revelam suas obras e atributos. Não é meramente uma distinção dos deuses das nações pagãs. O nome revela o poder, a grandeza e a glória do Deus Todo-Poderoso, além de mostrar os atributos dEle. O próprio Deus se identifica a si mesmo como há-Shem, “o Nome” (2 Sm 6.2). Quando a Bíblia faz menção do “nome de Deus” está se referindo ao próprio Deus: “haverá um lugar que escolherá o Senhor vosso Deus para ali fazer habitar o seu nome” (Dt 12.11).

3- Yahweh Shammah (v.35). A Bíblia nos mostra, com clareza, que Deus se deu a conhecer, nos tempos do Antigo Testamento, por vários nomes inerentes à sua natureza e à circunstância de sua revelação. Para Abraão, Ele apareceu como a provisão para o sacrifício em lugar de Isaque, seu filho, com o nome Yahweh Yireh, ou Javé Jirê, que significa ”O SENHOR Proverá” (Gn 22.14); e, prometendo livrar os filhos de Israel daquelas pragas e enfermidades que sobrevieram aos egípcios, Ele se manifestou como Yahweh Rafá’, “Javé Rafá”, isto é, eco SENHOR que Sara” (Êx 15.26) entre outros nomes. Mas o nome divino, Yahweh Shammah, ”Javé Samá”, isto é, ”O SENHOR Está Ali” (Ez 48.35), é o novo nome dado à cidade no Milênio, o objetivo é dissociar o nome de Jerusalém com os pecados do passado.

SINOPSE III

”O SENHOR Está Ali” (Ez 48.35) é o novo nome dado à cidade no Milênio para dissociar o nome de Jerusalém com os pecados passados.

AUXÍLIO TEOLÓGICO

O SENHOR ESTÁ ALI
”O livro de Ezequiel termina com a grande promessa de que, um dia, Deus habitará eternamente com seu povo: promessa está repetida em Ap 21.3: ‘Eis aqui o tabernáculo de Deus com os homens, pois com eles habitará’. A maior bênção para nós, como povo de Deus, é termos Deus em nosso meio; esta é a essência da alegria e da felicidade. Como resultado da presença eterna de Deus, nunca mais o crente sofrerá tristeza, desprazer e aflições, como aqui neste mundo (Ap 21.4). Esta é a nossa suprema visão é esperança enquanto aguardamos o dia da vinda do nosso Senhor e Salvador, Jesus Cristo” (Comentário Bíblico Beacon: Isaías a Daniel. Vol. 4. Rio de Janeiro: CPAD, 2014, pp.487).

CONCLUSÃO

O apóstolo Paulo ensina que com a queda de Israel veio a salvação para os gentios, o que não diremos com a sua plenitude! (Rm 11.12) As bênçãos anun­ciadas nas profecias de Ezequiel não se restringem apenas ao povo judeu, elas são extensivas a toda a terra. É importante salientar que nós já estamos sendo abençoados, como Igreja, pela presença do Espírito Santo em nossas vidas.

Gostou do site? Ajude-nos a manter e melhorar ainda mais este Site. Nos abençoe com Uma Oferta pelo PIX: CPF 346.994.088.69 – Seja um parceiro desta obra. “(Dai, e dar-se-vos-á; boa medida, recalcada, sacudida, transbordante, generosamente vos dará; porque com a medida com que tiverdes medido vos medirão também. Lucas 6:38 )”

REVISANDO O CONTEÚDO

1- Qual o formato da cidade da visão de Ezequiel? A descrição da cidade de Ezequiel revela ser ela quadrada (48.16), e nessa visão suplementar ele fala de quatro lados descritos no sistema horário: norte, leste, sul e oeste, um tipo da Nova Jerusalém (Ap 21.16).
2- Quantas portas possuíam a cidade de Jerusalém nos dias de Ezequiel segundo o livro de Jeremias? A Jerusalém histórica do período de Ezequiel e Jeremias possuía pelo menos seis portas segundo o livro de Jeremias.
3- Qual o propósito do nome das doze tribos de Israel nas portas da cidade? O nome nas doze portas da Jerusalém milenial bem corno na Nova Jerusalém tem por propósito a memória dos filhos de Israel.
4- Quais os nomes de Jerusalém no período bíblico? Salém (Gn 14.18; Sl 76.2; Ap 7.2); Jebus (Jz 19.10); Cidade de Davi (2 Sm 5.6-7), Ariel (Is 2.3; 29.1, 2).
5- Por que, no Milênio, Jerusalém será chamada ”Javé Samá”, ”O SENHOR Está Ali”? O objetivo é dissociar o nome de Jerusalém com os pecados do passado..

SAIBA TUDO SOBRE A ESCOLA DOMINICAL:

Lições Adultos – CPAD

Lições Jovens – CPAD

Lições Adolescentes – CPAD

Lições Adultos – EDITORA BETEL

Lições Jovens – EDITORA BETEL

Lições Adultos – REVISTA PECC

BIBLIA ONLINE

EBD | 4° Trimestre De 2022 | CPAD – Adultos – Tema do Trimestre:  A Glória e a Justiça de Deus – A Igreja e a Convocação do Profeta Ezequiel para um Despertamento Espiritual | Escola Biblica Dominical | Lição 13: O Senhor está Ali

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.